3.4.18

Out Ônus

Cansado de mirar aquele vão
tão íntimo e rotineiro.
Exausto pelo convívio, por sua
maior parte o reduzir, corroê-lo.

Exercita o pensamento do outro,
confia ao alheio sua própria estima.
Dependente de momentos que lhe valham,
saciando a fome com migalhas.

Na madrugada aflita, calcula 
seus limites em tempos de mudanças.

A sua força vem de rebaixar-se?
De suportar-se pequeno e
portar-se como grande 
num jogo ridículo de aparências?
O teu afeto se demonstra em sua
capacidade de ser submisso?

O comodismo esconde certa imaturidade.

Andar em círculos atrai
quem não conhece outro caminho.

21.2.18

Enquanto o rio condensa
e flui menos depressa, 
parece arrastar meus minutos em sua espessa gama vagarosa.

Não há profundidade alcançada
nem tampouco gera firmeza 
que permita o suporte dos pés.

Então este rio é visual, virtual,
cheio de futuros,
de maravilhosas mudanças advindas da espera.
Que diante dos olhos presentes, desfila
com sua suntuosa e pavorosa grandiosidade

Mas os olhos que assistem são acompanhados dum corpo que os carregam 
Estes olhos miram tudo ao redor 
e apesar do colossal rio que ganhara espaço nos últimos tempos,
avista outras oportunidades de banho, de refúgio, de contemplação, de vida.

A identidade mora no desejo
e desejo estancado
é vida ávida que avisa.
O corpo necessita banhar-se.

Qual o rio que o convida?

7.1.18

Rio que muda

Quando as preocupações te encontram
Esvaem-se,
escorrem feito água corrente
A frente empoçam-se belas incertezas que convidam a submergir

Afundo e, sem abrir os olhos, 
ressalto qualquer tipo de sensibilidade
No fundo é que me encontro
No raso não cabem minhas largas braçadas
Tenho mais fôlego do que o raso pode suportar

Quanto mais me aprofundo em mim
menos enxergo e mais sinto. 
Esbarro num novo eu

Mas o fundo aperta o peito, incomoda,
faz força pra subir
como se o corpo pedisse para novamente
respirar o mais-do-mesmo,  
repetir um exato enredo,
repelir o desconhecido que atrai.

Expando meus pulmões para caber mais vida
Quero-me mesmo é incompleto,
para fazer dos vazios profundidade,
E saber que pouca dosagem é bobagem
Quando se quer ser 
ao invés de estar.

4.12.17

Abrir Parênteses

Saímos. 
E partimos pra onde?

Sem alvo a gente se projeta.
Sem alvo a gente se protege.
Cuidando do instante
Cultuando o durante
Costurando os desejos, nossos remendos.

Sem destino para não enxergar onde daremos.

Este nosso elã, dosado
para evitar perdições,
mas feito tecido que envolve, 
move, absorve, absolve;
Transmuta tolices:
faz um boteco da igrejinha,
da espera-na-fila um grande circo,
do tatame um espaço pra risos.

Altera o meu domínio
Enquanto os corpos interagem 
no improviso, espécie de descoberta 
de um outro tipo de comunicação.

E como falam bem os nossos corpos.

Tateiam o inevitável impulso,
aprendendo este novo idioma. Conversa sinestésica.
Som traduzido em Gosto traduzido em Cheiro
Transa de ideias.
Trama não encerrada no gozo.

Espécie de paixão que é privilégio pra memória
Que tinge o depois
sem tanger o futuro.
Que se perpetua no presente.
Que me acompanha nos melhores pensamentos.
Que gosta de estar.

Que fica e finca.

27.10.17

Paixão. Este novo tipo de crime
Passam. Passion. Paixão.
Crime mútuo entre os envolvidos
Paixão. Passion. Passam.

Então há culpa no sentir?
ou há culpa em querer sentir?
Vejo o desejo botar a ética pra dormir
para provar da solitude; da plenitude.

Nesses jogos conjugais
já assumi todos os papéis
E após tantas temporadas em cartaz,
revezando-me entre todos eles,
escolho o quem mais gosto-de-não-ser, para também
ser um pouco do meu oposto.

pois o hoje de ser eu,
as 3h da tarde no universo,
já não me cabe como sempre.

Crias um roteiro, um rodeio? Enaltece orgulhos,
garimpa belezas e lapida nas descrições.
Vence sempre pela carência.
De ambos

14.8.17

Do árabe: Miskin

Anti atalho, sou o quanto falo
sou o ato falho 
e exibo o talo 
do meus pensamentos.

Ante o trago, eu travo
e grato, 
não tardo se eu não trago.

Se há troça na troca,
escapa o teu trato no tato.

Certezas me cerceiam
tanto quanto
dizeres me desnudam.

11.8.17

Gosto

Saboreio o infinito
percorrendo seu sabor por toda a boca.

Deixando que a tome o expansivo amargo
que possui todas as recentes e boas bebidas.

Aquelas que modificam a textura do palato.
Provo das menores picâncias.

Como para não sanar. Apeteço com o infinito 
sem abrir mão das volumosas guarnições temporais.

É como provar da bebida cara, rara,
que após tantos anos guardada, provoca 
o estupor que sempre lhe coubera.

Desengarrafo-me.
Tim-Tim!

11.6.17

Ator do Ato

Sobem ao palco os atores. O enredo é desconhecido do público. É noite de estréia!
De imediato, percebe-se que o elenco jamais contracenara junto. Uma espécie de amadorismo deixava a todos da platéia com aguçada atenção. Até as pausas para respiração eram interpretadas, mas não era possível saber se os detalhes estavam ensaiados ou eram gestos distraídos. A peça realmente confundia os ansiosos por desfecho.

No segundo ato a iluminação contribuiu para o mesmo. Aquela que parecia a personagem principal era muito mal iluminada para tal. Ficava muito na penumbra. Seu ombro era mais visível que as expressões faciais. As luzes acendiam e apagavam, direcionando os olhares e permitindo que se entendesse o que quisesse, o que causava ainda mais confusão. Não houve diálogos. O único som que se ouvia era um pequeno estalo dos interruptores ao fundo, que faziam atores e atrizes sumirem e surgirem. E quando a vista já cansava por tamanha movimentação dos olhos: Escuro!

Uma voz no centro do palco anunciou “Sou EU! quem ela quer”. Outras vozes responderam após um pequeno intervalo “E o que você quer?” “Por ainda não saber, quero que ela não queira”. A confusão no enredo se desenrolava sem nenhum constrangimento, mas aquela cena no escuro - ou a falta dela - dava a impressão de falha técnica. Um cheiro de borracha queimada invadia as últimas fileiras.
Mas era bem possível que aquela coisa mal arranjada fosse ensaiada. Quem é que sabe?! Um novo estrondo no interruptor fez acender apenas uma luz, iluminando o local de onde saíra a voz. Não havia ninguém. Um tablado iluminado encerrou o ato.

O restante do espetáculo prosseguiu com essa precária iluminação. Os atores, talvez para disfarçar atuações, davam o texto no escuro. Era uma peça ousada que não se sabia bem se chegaria onde desejava.
A partir do terceiro ato aumentava a vontade de abandonar as tentativas de entendimento e de curiosidade sobre o resultado daquilo tudo, a poltrona parecia não se encaixar mais nas costas, aquele breu sufocava os sentidos. Faltava autenticidade na volúpia e veracidade no desejo. Faltava convencimento nas palavras ditas e coragem para os atores. Faltavam peças para entender e sobrava vontade.

Os portões da rua irromperam trazendo ar aos pulmões. A peça seguia com cada vez menos público. Sobraria algum ao final? Poderia algum ator descer e passar-se por platéia por necessidade de preencher cadeiras, por necessidade de espetacularizar o íntimo, por trazer notoriedade ao banal? Jamais saberei. A rua me atraiu por ser inteligível. Desejava tatear o prático.
O fim do espetáculo sucedeu sem que eu o presenciasse. O meu entremeio prosseguiu sob leve interferência daquele enredo. Com um novo incômodo como herança, um pensamento de fundo, constante e discreto, que já me direcionava mesmo que não percebesse.
Espécie de sorte que randomiza o juízo para reinventar a ética que absolve futuras e inevitáveis escolhas.


14.5.17

Desejo

Pretensões exasperam. Asperam o agora.
Não esperam.
Projetar e desejar é consentir que o hoje escape.
É como não aproveitar o que está posto,
é como dispensar a janta pela sobremesa estando com fome.

O paraíso é horizonte que nos persegue.

Eis um conselho antigo sobre o futuro:
“Abra mão do hoje pelo depois. O futuro: O que importa!
Esta vida é passagem,
faça dela uma porta de entrada para o reino-dos-céus
lugar onde não haverá sofrimento e nem dor.”
Desconfio.
Onde não há dor nem sofrimento, haverá espaço para amar?

Com quem desejou estar hoje?
Pretender nos toma o presente.
O futuro é um adorno do real.

O desejo só é desejo se inalcançável?

19.2.17

Cortéja

Penso diferente de você 
e isto nos difere. Não deveria ferir

Edifiquei-me mirando sempre o que eu ainda não era 
Sou eterna continuidade díspar de mim

Acolho as discordâncias para crescer
Transformar é criar, é romper com os moldes
É arte

E refletir com erros é permitir que outros sejam diferentes
É necessário que alguém pense diferente de mim

30.1.17

Retinta

O grave retinto marca, anuncia
o repique repelique dos tambores, dos prazeres, dos gingados
é cor, é suor, é destino, é raça, é ode
é onde desaguam, desatam tantos dizeres
é quando o corpo cala o mundo para poder dançar

Energia vital e retumbante
que transforma tudo em corrente, atraente
beleza negra, fértil e intocada em respeito às liberdades
a menina sambou leve feito o vento
abandonou seus abandonos e sorriu
quis ser levada como nada
e acolhida como única, que és
beleza que não se encerra, que vela a madrugada
que me desperta pela manhã, que fica na memória como retina queimada pela luz
em tudo se reflete
e agora toda besteira é desculpa para abrir um riso
há um riso em todo canto

O dia clareou e a harmonia do samba continua a soar, a rebater, a  sacudir o novo rumo ao pretensioso inesperado

10.1.17

Barra

O verde-mastro dos galhos abriga vidas escaldantes.
Dias em fornalhas, fermentando fornalhas
ou cede ou foge.
Enquanto o vento quente rasga abrindo sulcos, forçando 
o morno a ferver
o sério a embriagar,
o clérigo a endiabrar
e o esquivo a acontecer.

Não há meio-termo com tanto calor.
A flor da pele escorre o mel.
Os olhos belos escondem tantos futuros.

Tomar o breu do céu 
como quem aprecia seu ébrio teor no fundo da boca, sem pressa.
Ondas que colidem, que harmonizam. 
Perpetuam intensidades. Guardado 
onde a memória não é precisa, pois não é preciso.

Peito carregado de escárnios, escarro!
Respiração fraudulenta,
exausta por tentar afrouxar tantos ideias.
onde, por tamanha simplicidade, não sobem bandeiras.
Certeira e desconexa realidade.

Apreciando o absurdo, o inexato,deparei-me com a origem.
Cais de difícil acesso, de retorno arredio
mas de natureza estonteante, 
ameaçadoramente imensa
e involuntariamente convidativa.