21.9.16

Espaço

Passos fundos...
Olhos desatentos que não miram.
Onde estaria aquela mente?Advogando a existência.

Faixas de pedestres, luzes, pessoas, desvios, barulhos.
Nada a interrompe.

A cabeça está no antes,
no interveio, no posto-póstumo.
Está onde não se conserta,
onde só se observa.

Fazendo juízo das palavras ditas em grandes quantidades,
dos excessos de existência,
das intensidades que derramaram em público,
que invadiram com voz o que poderia ser silêncio.

Estamos destinados a caber e vazar?
Possuímos uma fatal liberdade para invadir o espaço de existência d'outro ser.

A mente fluindo no topo de um corpo,
guiando sem esmero a massa que atrapalha os transeuntes.
Caminham no sentido do abandono. Da exclusão.

Problematizações cansam.
É preciso ser oco alguns dias da semana.

O convívio pede padrão.
Transbordo.
Atravesso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que vier de sua cabeça será bem-vindo....