21.11.12

Cores

Quando apaixonado
Fico em uma espécie de embriaguez
O que afirmo parecem histórias absurdas
O que digo soa com um desproporcional exagero

Minhas verdades se expandem peito a fora e parecem irreais quando escapam de mim
Minha língua perde o filtro e o que penso vai logo saindo pela boca, pelas tintas no papel

Tintas que percorrem o caminho indicado pelas mãos
Mãos que soltam frases intrínsecas;
que desejam se enlaçar com a mão amada 
para abdicar de toda fala escrita, pois escritos dão margens à confusão

Por isso digo! E as vezes me arrependo pelas minhas verdades serem tão fantasiosas
Mas que culpa tenho
se não vivo mais entre os que apreciam a realidade tal qual ela é?

Compartilho uma espécie de sorte
Um sentimento feito fogo, que hipnoticamente queima, arde
E que promete se apagar,

Mas o ensejo encontrado compensará o fogo
Com mais matéria para a combustão

Sentido incontrolável e talvez imaculado 
Feito um riso instantâneo provocado ao ver um constrangedor tropeço alheio

A vida e seu conjunto de coisas, com suas incontestáveis qualidades reais
Perdem o brilho da imaginação.

A realidade me soa miserável, morna
Um painel colorido com cores já conhecidas, já muito vezes usadas

Quero esgotar do indivíduo
Sugar todas as possibilidades para fartar o que não se sacia

Tornar-se indiferente à realidade dicotômica
Que divide a vida em antagonismos

Apesar de estar nela, vivo uma terceira opção
E entre o feliz e o triste; entre o real e o excessivo - escapo

Sou apenas Eu.

Apenas porque já me fiz pouco
Este pouco que é inverso e
que não representa o muito que me habita

O mundo que em mim reside revoluciona
Impõe que o escasso não seja permitido

Ser Eu pode ser suficiente.

7 comentários:

  1. Mto seu esse texto. POderias perguntar-me como sei, mas te digo que não sei, que apenas sinto e isso basta.
    O poema é muito bonito, é uma descrição do teu estado, do teu sentir e dos feitos coloridos que cada sentimento é capaz de proporcionar aos que assim desejam.

    ResponderExcluir
  2. Ser "EU" pode ser suficiente .

    Lembrei da história daquela menina maquiada que chamaram de traveco , enfim , você já sabe o final .


    Adorei o texto , ficou muito bom , mas não encare isto como um elogio , por favor ! haha ... estou aprendendo ^^

    ResponderExcluir
  3. embaixo da árvore de natal o brinquedo tão desejado o espera, e o dia
    e a noite combinam, como é bom viver com a mente excitada produzindo novos líquidos nos lavando

    ResponderExcluir
  4. Ser suficiente pode não ser eficiente...

    ResponderExcluir
  5. Muito bonito eu também me basto.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Excelente, Bruno!
    Enquanto "a realidade soar miserável", o poeta nos deixará versos intensos e pungentes!
    Abraço!

    ResponderExcluir

O que vier de sua cabeça será bem-vindo....