2.7.12

Ponto

A luz que entrava fazia das cortinas claras quase transparentes.
Ao sentar-se na cama percebeu, como paisagem disponível, a ponta de um telhado vizinho e um imenso céu num tom azul-absoluto, mas abdicou de tal vista quando Beltia adentrou e compartilhou espaço no colchão.
 - Não te expulsei da cama. Sente aqui! – disse ela
Eu, ainda no chão, observava calado os dois móveis rústicos e lustrados que completavam o pequeno quarto em que estávamos. Sentou-se à minha frente e examinou-me em silêncio.
- Não gostou? – Perguntou-me
- Do quê?
- Do meu quarto. Já que olhou cada canto deste recanto por que não me diz o que achou?
- Como posso dizer?... É claro que gostei... Mas... o achei um tanto pequeno, sabe?
- Pequeno para quê? Nós dois não cabemos nele?
- Sim... Mas não foi isto...
- E além de nós – interrompeu-me - também não está aqui o que sentimos? E os sentimentos que mal cabem em nossos corpos e que ainda assim é abrigado por este pequeno quarto? Onde também coube o que transbordou hoje e o que nos escapou dias atrás...
- Neste quarto cabem vidas inteiras. Tem razão... ele é imenso.

- E você? Gostou? - Perguntei
- Adorei!
- Adorou o quê? Não sabe nem ao que me referi...
- E nem pretendo saber... Adoro a vida e tudo o que nela está.
- Que bom! Então já se encontrou?
- Não, mas sempre que procuro me acho um pouco.
- Dentro de dois anos estará completa!
- Se me ajudar, alcanço o Todo em dois dias.
- Aceito! Mostro-te o caminho que conheço e depois vamos à minha procura...
- Depois, depois... Vamos despistar o depois e interrogar o hoje jogando a luz mais forte na cara...
- O que acha que nos revelará?
- Não importa Homem! Vamos acreditar em qualquer resposta bem elaborada. Verdades acreditadas têm o mesmo peso das Verdades reais.
- Então acreditaremos por racionamento de esforços? Por não aprofundar o questionar?
- Não! Acreditaremos por ansiedade de respostas. Qualquer uma serve, já te disse.
- Pois bem, se são todas aceitáveis só me resta acreditar nesta conversa.
- Só te resta me acompanhar. Todo fim é um ponto de partida e este é o seu...
- O meu fim?
- Não Homem! O seu ponto de vista da história.

4 comentários:

  1. Lembrei de um texto do Fernando Veríssimo...=) mt bom.

    ResponderExcluir
  2. Não acredito o Bruno esta de volta!
    Agora sim, o escritor retornou a escrivaninha e gastou a pena.
    Adorei parceiro!

    P.S – Vai Corinthians! Risos*

    ResponderExcluir
  3. Voltou cheio de inspirações!
    Esse é meu ponto de vista ^^"

    Se alguém me achar , me devolva!!!rs

    ResponderExcluir

O que vier de sua cabeça será bem-vindo....